Défice de Atenção e Hiperatividade

Défice de Atenção e Hiperatividade


O Transtorno por Défice de Atenção e Hiperatividade (TDAH) constitui um dos mais importantes transtornos do desenvolvimento que afeta crianças, adolescentes e adultos. O TDAH afeta, não só o próprio indivíduo, mas também os seus relacionamentos no meio familiar, escolar e social.

O TDAH revela um padrão caracterizado por dificuldades persistentes de concentração na tarefa e traços impulsivos que se manifestam nos contextos familiares e escolares. As suas manifestações variam consoante a idade da criança e as suas sequelas podem permanecer até à idade adulta.

É frequente ouvir pais e educadores a referirem-se aos filhos e alunos como sendo inquietos, distraídos, que estão em contínuo movimento, que agem como se estivessem no “mundo da Lua”, como se não escutassem o que lhes é dito, que falam sem parar, começam tarefas sem as concluir, toleram mal as frustrações, são impulsivos, agressivos, não respeitam normas e desafiam limites.

Embora tenham características potencialmente desestabilizadoras, estas crianças também são afetuosas, criativas, espontâneas, dispostas a colaborar e a ajudar. Porém, estas características positivas passam despercebidas quando são comparadas com o peso das condutas disruptivas que mais rotulam a criança.

O comportamento do TDAH nasce do que se chama trio de base alterada: atenção, impulsividade e hiperatividade.

  • Comportamento da criança
    • Desatenção
      Apesar de não ser tão visível quanto a hiperatividade e a impulsividade, a questão do défice de atenção é, normalmente, o sintoma que causa maiores problemas na Escola. Apesar de frequentemente afetada por estados de desatenção, a criança com TDAH não é incapaz de prender a atenção nas situações que vão ao encontro dos seus interesses e desejos, como ver televisão e realizar jogos.

      Alguns comportamentos:
      • Não presta a devida atenção aos detalhes ou, por descuido, comete erros nas tarefas da Escola ou noutras atividades;
      • Tem problemas em concentrar-se nas tarefas e jogos e parece que está com a “cabeça na Lua”;
      • Parece que não escuta quando se fala diretamente com ela;
      • Não segue as instruções e não termina as tarefas da Escola;
      • Tem dificuldade em organizar tarefas e atividades;
      • Evita, recusa ou nega-se a fazer coisas que exigem um esforço mental por mais tempo (ex.: trabalhos de casa ou tarefas familiares);
      • Perde as coisas de que necessita para realizar tarefas ou outras atividades, como jogos, trabalhos de casa, lápis, livros, etc.;
      • Distrai-se facilmente e com frequência com estímulos irrelevantes;
      • Tende a ser esquecido nas suas atividades de vida diária;
      • Muda, frequentemente, de tarefas inacabadas para outras igualmente inacabadas;

 

    • Hiperatividade
      Nem todas as crianças com défice de atenção são hiperativas e impulsivas, porém as que são não passam despercebidas. Há que ter em atenção que há crianças agitadas, enérgicas e de comportamento turbulento que não têm de ter necessariamente TDAH. Por norma, as hiperativas são bastante mais irrequietas e dão sinais de terem um excesso de atividade muito mais marcante, comparadas com as crianças da sua idade.

      Alguns comportamentos:
      • Nunca está satisfeita;
      • Não se interessa por algo durante muito tempo;
      • Curiosidade acentuada;
      • Necessidade de supervisão constante;
      • Mexe muito as mãos e os pés enquanto está sentada;
      • Levanta-se com frequência da cadeira;
      • Corre ou trepa em lugares e momentos inoportunos;
      • Tem dificuldades em jogar e desfrutar das brincadeiras;
      • Está em constante movimento como se tivesse um “motor nos pés”;
      • Fala demasiado;
      • Tem dificuldade em ficar em silêncio nas atividades de lazer.

 

    • Impulsividade
      A impulsividade reflete-se na incapacidade de controlar as suas emoções e o seu comportamento, características estas que são exibidas num grau muito superior comparado com as crianças da sua idade.

      Alguns comportamentos:
      • Dá respostas sem a pergunta ter terminado;
      • Tem dificuldade em aguardar pela sua vez;
      • Interrompe conversas ou jogos intrometendo-se;
      • Tem dificuldade em expressar-se adequadamente;
      • Não obedece a instruções;
      • Agarra objetos dos outros e coisas que não devia;
      • Envolve-se em atividades potencialmente perigosas, sem considerar as consequências possíveis.

  • Intervenção
    Os benefícios do Acompanhamento Psicopedagógico caminham lado a lado com o Plano de Intervenção a trabalhar com o aluno, que é delineado em função das suas necessidades emocionais, comportamentais, familiares, escolares e de aquisição de competências. O Plano de Intervenção é especialmente desenhado em função das específicas características comportamentais reveladas pela criança com TDAH.

    Ao longo da aplicação do Plano de Intervenção Psicopedagógico são realizadas reavaliações periódicas, no sentido de recolher informação quanto ao ritmo de evolução do aluno e relativamente às áreas que precisam de ser mais exploradas. 


2019 © Maria Pinto  //  Site desenvolvido por Luis Bernardo